ERA UMA VEZ…NO YOKOHAMA STADIUM

Os números não mentem e impressionam: 768 passes dos espanhóis, 73% de posse de bola e 17 finalizações. No jogo, Xavi e Iniesta deram 110 passes cada. Xavi acertou 108 e Iniesta 107. Busquets teve 66 acertos em 66 passes. Enquanto isso, pelo lado Santista os números são bem mais modestos: 27% de posse de bola, 233 passes. Ganso e Neymar, as grandes estrelas do time da Vila mais famosa do mundo, tocaram na bola 23 vezes cada.

Mas estes números fantásticos não acontecem por acaso. São consequência de uma filosofia de jogo implantada lá na década de 80 e que começa nas escolinhas do clube, quando garotos promissores são buscados com suas famílias de todas as partes do mundo e lá são desde então já moldados a um estilo de jogar futebol. O Barça raramente compra craques, ele os “fabrica” para que joguem do seu jeito. Não há chutão, a bola desliza pelo campo de pé em pé, todos chegando à frente em condições de finalizar. Mas também há o comprometimento com a marcação, e dele nem o craque Lionel Messi escapa. Num time que prioriza a posse de bola, esta é uma responsabilidade de todos.

E então concluímos que a maneira como todos os outros times praticam o futebol está errada? Não, claro que não. Mas, como em tudo na vida, há que se evoluir. E isto envolve também toda uma questão cultural. Aqui no Brasil, por exemplo, um técnico não resistiria no cargo sem pelo menos um atacante de ofício no seu time. E o time de Guardiola, muito freqüentemente, joga sem atacantes, mas isto,é claro, sendo suprido pelo alto nível da qualidade dos seus comandados.

Ainda que possamos imaginar que o Santos poderia ter feito um enfrentamento menos desigual, o problema não está no Santos. Aliás, qualquer time do mundo sucumbiria, inapelavelmente, neste momento, no duelo com o time catalão. E que me desculpem meus amigos colorados, inclusive o Inter de 2006.

Olhando o Barcelona jogar, concluímos que o futebol pode ser jogado com técnica, leveza e sem violência. Como é simples e prazeroso jogar futebol, não é mesmo?

Luis Goelzer – DEDE2005

Anúncios

Coluna colorada – DUDA03

Mundial 2011  x  Repercussões

Vendo as repercussões do chocolate aplicado pelo Barcelona na final do Mundial 2011, venho colocar minha opinião sobre o assunto. O que o futebol brasileiro tem que fazer não é aprender a jogar com o Barcelona. Como pode isso? Sendo que a maioria do o Barcelona sabe, fomos nós que ensinamos? Temos sim é que aprender a olhar o futebol de forma menos midiática, dando a entender que um jogador craque é suficiente para ganhar de um grande time, enquanto o resto da equipe é de médio para baixo. Toda a semana escutamos jogadores e técnicos brasileiros dizendo que que futebol é conjunto e fazem, empurrados pela mídia, tudo diferente. Sobram interesses e faltam gestores que pensem o futebol não só para o próximo jogo e sim para temporadas. Com relação a comparação das finais de 2006 e 2011 pergunto o seguinte. Quais eram as expectativas das vésperas das finais? Em ambas o Barcelona vinha de 4×0. Acaso o fracasso do Inter não era iminente frente ao todo poderoso Barcelona daqueles dias? A diferença esteve na postura que Inter e Santos tiveram. O Inter em 2006 poderia até ter perdido, o que era mais provável, porém teria sido uma vitória cara para o Barcelona, pela postura colorada. O Inter ainda engatinha em gestão de futebol, mas já dá pra ensinar quem fica menosprezando os outros enquanto deveriam aprender com seus próprios fracassos.

 Eduardo – Duda03

Ação beneficente PFC – Natal 2011

Conforme determina o regulamento do Palpiteiros Futebol Clube, 3% do valor arrecadado trimestralmente fica reservado, e no final do ano é destinado a uma entidade que presta reconhecido auxílio a pessoas necessitadas.

No Natal de 2010, a escolhida foi a ASAN-Associação de Auxílio aos Necessitados de Santa Cruz do Sul, o nosso “Asilo dos Idosos”.

E como o PFC é formado em sua maioria por amigos de Santa Cruz do Sul e Vera Cruz, desta vez coube contemplarmos uma entidade da comunidade vera-cruzense.

A escolhida foi o “SOPÃO DAS MARIAS”, formado por um grupo de 9 voluntárias e 1 voluntário, que anonimamente prestam um serviço social que depende e muito de doações da comunidade, atendendo a 41 famílias (280 pessoas).

Ao valor arrecadado trimestralmente juntaram-se algumas doações espontâneas de Palpiteiros, somando R$ 104,00, o que nos permitiu a aquisição de 30 quilos de arroz, 25 quilos de farinha, 15 quilos de açúcar, 10 quilos de sal e um pacote de massa, totalizando 80 quilos de alimentos.

A entrega ocorreu na manhã de sábado, 17/12, na sede da entidade, localizada na rua José A. Klinger, 49, como mostram as fotos abaixo.

Os Palpiteiros Luís Goelzer, Luís Eduardo Goelzer , Eduardo Morales Wisniewski, Eduardo Jr e Lucas foram recepcionados pela coordenadora Maria de Fátima Gomes dos Santos e demais voluntárias, que além de manifestarem o seu agradecimento, ainda nos mostraram as instalações, e também nos relataram que o sopão é fornecido às terças-feiras, mas que em 2011 surgiu dentro do projeto uma nova iniciativa denominada “UMA NOVA SEMENTE”, onde as famílias atendidas têm atividades como tarde de saúde, oficina culinária e de artesanato, como biscuit e tricô.

De nossa parte, nós Palpiteiros, colocamos na ocasião, que este nosso gesto tem por objetivo auxiliar o próximo, mas também é um reconhecimento pelo importante trabalho voluntário e anônimo desempenhado pelas “MARIAS”.

E é com ações como esta que é feito o VERDADEIRO NATAL!

Feliz Natal a todos!

PALPITEIROS FUTEBOL CLUBE